Buscar

CIDADE/ABISMO é um encontro necessário

Ontem assisti “Cidade/Abismo” espetáculo do Grupo Teatro Empório, em cartaz até o fim do mês na Sala Baden Powell, em Copacabana, aqui no Rio. Uma experiência ao mesmo tempo tão desconfortável quanto acolhedora, foi para mim, uma catarse necessária condensada em 90 minutos de reflexões sobre a solidão nas cidades, o esvaziamento das relações e o que fazemos da nossa humanidade - e a de todos - no desafio de se navegar os mares da vida, sem dela despencar (ou se jogar).


Contagiada por toda aquela energia teatral, vibrando invisível do palco para a platéia, me vi dançando trap (sim a trilha é impecável) na minha poltrona, admirando a potência dos atores, completamente entregue, sem conseguir desgrudar os olhos de um palco basicamente composto por um mesão, que é ao mesmo tempo o céu, a terra, o fim do mundo, o começo, a ponte, a cidade. O mesão é o que a gente quiser, e dele se pula, nele se sobe, e principalmente, nele se EQUILIBRA.


Cidade/Abismo fala sobre suicídio da perspectiva de quem ficou, através de uma dramaturgia não cronológica, que sobrepõe narrativas diversas, em uma história central de humanidade, o que para mim, tem tudo a ver com o caos urbano e a sedimentação de histórias dos seus habitantes. Os vértices dessa cidade são representados por uma cantora que questiona o absurdo, uma mulher que assiste uma pessoa se jogar de uma ponte sem testemunhar a batida do corpo na água, o atendente de uma central telefônica para potenciais suicidas, uma mulher que possui uma bala em movimento dentro do corpo e uma blogueira que produz fake news.


O texto de Leandro Bacellar é dinâmico, poderoso e cheio de referências interessantes à filosofia existencialista, como Sartre e Camus. A pesquisa para o desenvolvimento do espetáculo foi um mergulho profundo em um penhasco colaborativo, que resultou na confecção de um universo de relações tecido pelos abismos produzidos pela cidade

“Buscamos teatralidade para a queda. O abismo como interrupção, como ruptura. A cidade como responsável por quem somos e por nos impedir de ser o que desejamos. A cidade como provedora de Abismos”


Imperdível e necessário.



Local: Sala Municipal Baden Powell Endereço: Avenida Nossa Senhora de Copacabana, Nº 360 – Copacabana. Telefone: (21) 2548-0421 Sessões: Quinta a sexta às 20h Período: 02/08 a 31/08 Elenco: Carolina Lavigne, Diego Carneiro, Luiz Fernando Lopes, Marcela Bull, Nívia Terra, Stace Mayka e Ramon Alcântara Direção: Leandro Bacellar  Texto: Leandro Bacellar 

  • Instagram - Black Circle