Buscar

31.03 DIA DE PANO PRETO NA JANELA

É de revirar os estômagos mais preparados a banalização do golpe militar proposta por esse presidente que muita gente elegeu, e sua equipe de idiotas despreparados, maléficos, religiosos & amantes de teorias da conspiração. Usando mais uma vez do absurdo para zoar com as emoções da população, em meio a um cenário caótico de instabilidade de comunicação com o Congresso Nacional, Bolsonaro segue em clima de tensionamento político intencional e campanha eterna (bem no estilo de seu crush Trump) enquanto tenta reescrever a história segundo a versão dos militares, mesmo diante de tantas evidências, relatos, documentos e estudos historiográficos profundos sobre o assunto


Entre uma tomada de fôlego e outra lendo notícias do Brasil e muitos comentários legitimamente revoltados de pensadorxs sobre a ditadura, recordei uma série de ocasiões nos meus vinte e oito anos de vida em que o período militar veio à tona. Por sorte, privilégio e (ou) mérito de bons professores de História, na escola e na faculdade, tive acesso à informação de maneira responsável, crítica e comparativa, de modo que havia ficado absolutamente claro para mim um consenso amplo, para o Brasil e na maior parte dos países que passaram por experiências ditatoriais, de que ditaduras são formas de governo indesejáveis por diversos motivos. Elas cancelam a possibilidade de manifestação, bloqueiam os princípios básicos da democracia, lançam mão de práticas diversas de repressão e censura às ideias. Na democracia, as ditaduras são consideradas moralmente injustificáveis. Essa noção, no entanto, nunca me poupou do eventual contato com pessoas que encheram a boca para dizer coisas como "O Brasil cresceu muito durante a ditadura", "Na ditadura não tinha crime" e "Só sofreu quem estava fazendo merda". Coincidência ou não, em todas as ocasiões, eram pessoas com alguma conexão com as instituições militares



Nos países que viveram ditaduras, alguns deles nosso vizinhos como Chile, Argentina que enfrentaram regimes ainda mais genocidas que o nosso, há um entendimento que esse capítulo da história não deve se repetir, e são necessárias políticas públicas preventivas para educar a população sobre isso. É um posicionamento que todos os presidentes que sucederam regimes ditatoriais mundo a fora têm reiterado através de comissões de transparência que conferem protagonismo às vítimas de tortura, perseguição, assassinato e censura, em um esforço para consolidar socialmente a percepção de que não podemos deixar que um período tão desumano aconteça novamente. O presidente não parece ter capacidade cognitiva e sensibilidade para perceber o quanto essa postura é prejudicial para a sociedade e para o Brasil. Ao elogiar a ditadura de Pinochet no Chile, uma das mais violentas da história, Bolsoeca foi criticado pelo presidente Sebastián Piñera (de direita, por sinal) e recebido à base de muita manifestação da população chilena pelas ruas de Santiago





Pensando bem, nada disso deveria estar chocando ninguém a essa altura do campeonato. O presidente está sendo coerente com suas ideias, expostas em infinitas declarações nefastas, disponíveis online no grande acervo youtubístico, mostrando que ele de fato acredita que a ditadura tenha sido ótima para o Brasil. Provando diariamente não ter nenhuma lucidez política, não consegue dialogar com o Congresso, não consegue consolidar qualquer grupo de pessoas no MEC, passa vergonha internacionalmente, tudo isso registrado com mensagens patéticas e eleitoreiras no twitter. Fadado a uma implosão, o governo não tem um programa político a ser executado, se não o estímulo ao ódio, inclusive às instituições democráticas. Sem capacidade de articular com a câmara de deputados e o senado, o presidente tenta chamar de velha política uma parte importante do seu cargo: a deliberação com os demais representantes da sociedade eleitos, tudo dentro do aparato democrático





A proposta de comemoração tem como objetivo um revisionismo histórico, um investimento em recontar como acontecimentos são narrados e minimizar o lado sombrio desses fatos. Essa disputa simbólica tem tudo a ver com a agenda de valores que o presidente de "Deus" da "pátria" e da "ordem" tenta implementar para satisfazer seu eleitorado conservador e ignorante, ou até mesmo "desconstruir" como ele descreveu sua missão presidencial na visita aos EUA. É mais fácil tentar mobilizar uma parte da população que acredita em fake news e mamadeira de piroca, do que arquitetar planos e políticas públicas junto ao Congresso e ao Senado, como qualquer governo deve fazer. Com cinismo fascista, Bolsonaro disse em entrevista à Band hoje que a ditadura foi marcada por "probleminhas" e que o nome correto deveria ser "revolução democrática"

Não existe qualquer justificativa para o revisionismo histórico da ditadura militar no Brasil, nenhuma possibilidade de minimizar fatos, ou naturaliza-los. Para garantir que a informação histórica circule de maneira coerente e preventivamente, devemos ocupar o ambiente digital e analógico com fatos sobre os assassinatos, torturas, estupros, perseguições, sequestros, raptos de crianças, censura, atraso cultural, e todo tipo de face dolorosa do nosso passado para que esse idiota e sua trupe de fascistinhas não desinformem a população sobre o que a maldade que eles julgam justificável, na mais pura performance de banalização do mal


leia a seguir fontes responsáveis sobre a ditadura militar


COMISSÃO DA VERDADE : Comissão Nacional da Verdade, ou apenas Comissão da Verdade, foi a comissão instituída pelo governo do Brasil que investigou as graves violações de direitos humanos cometidas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988


DOSSIÊ DITADURA MILITAR: El País Brasil


NEGAR A DITADURA É IGNORÂNCIA HISTÓRICA : BBC Brasil


MULHERES NA DITADURA AS TORTURAS SOFRIDAS NA LUTA CONTRA O AUTORITARISMO : Revista AzMina


DICIONÁRIO ILUSTRADO DA TORTURA NO BRASIL : Bruno Maron para VICE BRASIL


11 HISTÓRIAS DE CRIANÇAS ATINGIDAS PELA DITADURA MILITAR NO BRASIL : BuzzFeed


VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER FOI PRÁTICA CONSTANTE DA DITADURA MILITAR : Universidade Federal de Minas Gerais


As crianças sequestradas e adotadas ilegalmente por militares durante a ditadura brasileira : G1


Confira 18 filmes sobre o golpe de 1964 e a ditadura militar : Diário de Pernambuco

  • Instagram - Black Circle